Início » Pelo Mundo » Forma como pé toca o chão pode explicar lesões em corredores
Saúde

Forma como pé toca o chão pode explicar lesões em corredores

Corredores que utilizam primeiro o calcanhar ao tocar o chão são mais propensos a se machucarem

Forma como pé toca o chão pode explicar lesões em corredores
Forma de correr depende de fatores como terreno, velocidade e cansaço (Reprodução/Internet)

Lesões provocadas por corridas são um tópico de grande interesse para cientistas em muitas áreas, desde a biomecânica até a biologia evolutiva, bem como, naturalmente, para os corredores. A maioria das estimativas diz que mais da metade de todos os corredores, sejam mulheres ou homens, praticantes de curto ou longo prazo, se machucam a cada ano. Mas ninguém sabe o porquê de tantos corredores se machucarem, embora uma série de teorias tenha sido levantada, incluindo as possibilidades de que as estradas de asfalto são duras, a má alimentação ocidental, as longas distâncias percorridas, a alta tecnologia dos tênis poderiam causar ou contribuir para o problema.

Adam Daoud, um estudante de pós-graduação do Skeletal Biology Laboratory, em Harvard e o biólogo evolucionista e diretor do laboratório, Daniel Lieberman sugeriram que a corrida de longa distância está relacionada com a evolução do homem primitivo – os melhores corredores ganhavam mais comida e sexo do que os outros e passaram ao longo do tempo os seus genes – com isso, os pesquisadores se perguntaram se algo mais simples não poderia explicar o problema, como a forma que o pé toca o solo pode afetar o risco de lesões.

Hoje, a maioria de nós toca o solo primeiro com os calcanhares, um padrão promovido pelos amortecedores dos tênis. O trabalho de Lieberman, revelou que os caçadores-coletores usaram primeiro as parte da frente de seus pés. Assim, nos últimos anos, alguns corredores observaram que usar o antepé é mais natural e menos susceptível de causar lesões. Mas não houve nenhuma pesquisa cientifica para apoiar essa ideia.

Para analisar a questão, Dauod, que tinha sido da equipe de corredores da graduação, e Lieberman, ganharam não só o acesso ao banco de dados da equipe de treinamento da universidade, como também puderam filmar os membros da equipe em atividade.

Ninguém sempre atua da mesma maneira. A forma de correr depende de muitos fatores, incluindo a velocidade, o terreno, o cansaço e assim por diante. Mas a maioria tem um padrão de atuação predominante e foi assim com os 52 corredores de Harvard. Trinta e seis, ou 69% deles, utilizavam primeiro o calcanhar, enquanto 16, ou 31%, usavam o antepé. As proporções foram semelhantes independentemente do sexo.

O mais interessante foi a distribuição de lesões. Cerca de dois terços do grupo acabou machucado a ponto de perder dois ou mais dias de treinamento durante o ano. Mas os corredores que utilizam o calcanhar primeiro eram muito mais propensos a lesões, com um risco duas vezes maior do que os corredores que utilizam primeiro o antepé.

Este resultado, o primeiro a associar o calcanhar com lesões, é discutível pois nem sempre é possível assegurar que correr descalço é melhor. (Dói bater no chão com o calcanhar se você não está usando tênis). Mas os pesquisadores são rápidos em apontar que o estudo, de qualquer maneira, aborda os méritos de se andar descalço.

Todos os corredores de Harvard usavam tênis, e mais, como Lieberman afirmou, “usavam tênis diferentes todos os dias da semana”. Alguns correram com tênis com mais amortecedores e tiveram mais lesões, enquanto outros não. Da mesma forma como corredores que usavam o antepé também sofreram lesões. O que indica que o antepé não é uma panacéia. Mas, em geral, os corredores que utilizavam os calcanhares eram muito mais propensos a se machucarem e muitas vezes durante o ano. Isso significa que aqueles que habitualmente iniciam a caminhada com o calcanhar devem mudar isso? “Se você não se machucar, então absolutamente não. Se não está quebrado, não conserte”, diz Lieberman.

Já Daoud afirma que se você tiver lesão após lesão, você deve considerar uma mudança. (Se você não tiver certeza do seu padrão, peça para um amigo filmar você correndo e em seguida assista em câmera lenta, observando como seu pé bate no chão). Daoud adverte que se você decidir remodelar o seu passo, que o faça com cautela: “Muitas pessoas que mudam de repente seus hábitos podem se machucar no processo”, diz. Isso acontece porque o corpo se adapta a força gerada em longo prazo pelo uso do calcanhar. A mudança na forma de correr afetará diferentes partes da perna, levando a dores e, potencialmente, a lesão.

A sugestão de Dauod é que o corredor tente primeiro tocar o chão com o antepé por cinco minutos no final de cada corrida. Trabalhar por períodos mais longos nessa adaptação pode causar dor significativa. O próprio Dauod era um corredor que utilizava o calcanhar, em seu caso, ele agora corre de forma consistente com o estilo do uso do antepé, porém a transição não foi perfeita: “Eu quebrei um metatarso durante e execução da minha primeira maratona após a transição, eu corri rápido e esperei demais do meu corpo muito cedo”, afirmou. Aviso para aqueles que consideram a hipótese de fazer a transição para o pouso do antepé: “Dê tempo ao seu corpo”.

Fontes:
The New York Times - Does Foot Form Explain Running Injuries?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *