Início » Economia » Internacional » Gravidez nos EUA é mais mortal do que em outros países ricos?
MORTALIDADE MATERNA

Gravidez nos EUA é mais mortal do que em outros países ricos?

Sistemas de registro de nascimentos e óbitos adotados pelos países ricos dificultam a avaliação se os EUA têm uma taxa superior de mortalidade materna

Gravidez nos EUA é mais mortal do que em outros países ricos?
A mortalidade materna é decorrente de complicações durante a gravidez e de seis semanas após seu término (Foto: Pixabay)

Poucos fatos são tão trágicos como a morte de uma mulher durante a gravidez ou no parto. Nos Estados Unidos, assim como em outros países desenvolvidos, essas mortes são extremamente raras. É mais provável que uma mulher americana morra ao ser atingida por um raio do que por complicações de parto.

No entanto, de 700 a 800 mulheres grávidas ou que acabaram dar a luz morrem todos os anos nos EUA. Segundo alguns sistemas de coletas de dados quantitativos, a taxa de mortalidade materna dos EUA é bem superior à taxa de países europeus desenvolvidos. Mas, em outros cálculos estatísticos, os EUA têm a mesma taxa do Reino Unido.

Na definição da Organização Mundial de Saúde (OMS), a mortalidade materna é decorrente de complicações durante a gravidez e de seis semanas após seu término. Nos países desenvolvidos, essas mortes são registradas nos sistemas de informações de registro civil, que incluem dados sobre nascimentos e óbitos. Esses sistemas de registro são mais precisos quando o formulário do atestado de óbito tem uma caixa de seleção, na qual é possível indicar se a mulher estava grávida.

Os EUA acrescentaram essa caixa de seleção ao formulário padrão do atestado de óbito em 2003, mas os estados demoraram a adotá-lo. Um estudo recente mostrou que seu uso crescente registrou um aumento de 80% na taxa de mortalidade materna em 2000-14.

Como os atestados de óbitos não registram com precisão as mortes causadas por complicações da gravidez, alguns países, como os EUA, o Reino Unido e a França, usam sistemas alternativos para calcular a taxa de mortalidade materna. Esses sistemas coletam relatórios de hospitais e de médicos legistas, artigos de jornais e histórias do cotidiano de cidadãos comuns.

Nos EUA esse tipo de sistema detalhado é administrado pelo Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), que registra as mortes causadas por complicações de gravidez até um ano após seu término. Os suicídios provocados ​​por depressão pós-parto podem ocorrer muitos meses depois do parto. No sistema do CDC a taxa de mortalidade materna nos EUA no período de 2011 a 2013, o último período com dados disponíveis, era de 17 mortes por 100 mil partos. As mortes por complicações de gravidez ou por parto registradas da mesma maneira no Reino Unido, no período de 2012 a 2014, indicaram uma taxa de mortalidade materna quase igual à dos EUA, o que mostra a dificuldade de comparar dados coletados, muitas vezes, de maneira aleatória.

Fontes:
The Economist-Is pregnancy in America much deadlier than in other rich countries?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *