Início » Vida » Ciência » Impressoras 3D criam tecidos vivos
Bioimpressão

Impressoras 3D criam tecidos vivos

A fabricação de tecidos já é uma realidade e no futuro será possível a criação de órgãos inteiros

Impressoras 3D criam tecidos vivos
As impressoras liberam uma pasta de células vivas envoltas em um molde (Reprodução/Veja)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em uma sala moderna e limpa, uma cientista usando um traje totalmente vedado, uma touca e luvas azuis está preparando alguns cartuchos de impressão – preenchidos não com tinta, mas sim com um líquido leitoso e viscoso.

Próximo a ela se encontra um computador conectado a um dispositivo parecido com uma grande máquina de sorvete, com a diferença de que cada um dois seus dois bocais são formados por uma seringa com uma agulha comprida. Quando a cientista aperta o botão “efetuar programa”, as agulhas liberam não sorvete de chocolate ou baunilha, mas uma pasta de células vivas. Essas “biotintas” são depositadas em camadas precisas uma sobre a outra, sendo que entre elas é disposto um gel que forma um molde temporário em torno das células.

Quarenta minutos depois o trabalho está acabado. A depender da escolha de biotinta e padrão de impressão, o resultado pode ser quaisquer números de estruturas biológicas tridimensionais. Nesse caso, trata-se de uma amostra de tecido pulmonar vivo de cerca de 4 cm de largura contendo cerca de 50 milhões de células.

Desde sua criação em 2007, pesquisadores da Organovo, sediada em San Diego, fizeram experimentos com a impressão de diversos tipos de tecidos, inclusive partes de um pulmão, rim e músculo cardíaco. Agora a primeira empresa negociada em bolsa de bioimpressão 3D está se preparando para iniciar a produção. Em janeiro amostras do seu primeiro produto – lâminas de tecido de fígado humano – foram entregues a um laboratório externo para que testes fossem realizados. Esses foram impressos em séries de 24 e levam cerca de 30 minutos para serem produzidos, afirma Keith Murphy, executivo-chefe da empresa. No fim deste ano a Organovo pretende dar início às vendas comerciais.

A invenção da impressão 3D nos anos 80 forneceu a tecnologia hoje empregada para fabricar tudo – de peças de avião a próteses de membros humanos. Mas a promessa da bioimpressão 3D é ainda maior: criar tecidos humanos – camada a camada – para pesquisa, desenvolvimento de remédios e experimentos, e ao fim como órgãos substitutos, tais como rins ou pâncreas, para pacientes que necessitam desesperadamente de um transplante. Órgãos bioimpressos poderiam ser feitos a partir das próprias células do paciente e portanto não seriam rejeitados por seus sistemas imunológicos. Eles também poderiam ser fabricados sob demanda.

 

Fontes:
The Economist-Printing a bit of me

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Pelo que entendi o próximo desafio será criar a BIOTINTA adequada ao que se pretende produzir.
    Sugiro um artigo sobre esses insumos que são tão importantes quanto a impressora propriamente dita.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *