Início » Notícia » Inteligência artificial é a nova arma contra a retinopatia diabética
TECNOLOGIA E SAÚDE

Inteligência artificial é a nova arma contra a retinopatia diabética

Google realiza um projeto piloto de diagnóstico automatizado de exames oftalmológicos em um hospital indiano

Inteligência artificial é a nova arma contra a retinopatia diabética
Hospitais nos EUA, Reino Unido e Cingapura também estão testando sistemas automatizados (Foto: PxHere)

O Aravind Eye Hospital em Maburai, no sul da Índia, atende mais de 2 mil pessoas por dia vindas de vários lugares da Índia e, às vezes, de outros países.

Há pouco tempo, Muthusamy Ramalingamm, um morador local, procurou o hospital para fazer um exame oftalmológico. O técnico que o atendeu pediu que apoiasse o queixo em um pequeno dispositivo com uma câmera acoplada.

O técnico tocou em uma tela e, em segundos, as fotos de fundo de olho mostraram que ele sofria de retinopatia diabética, uma doença que pode causar cegueira se não for tratada.

Na maioria dos hospitais e clínicas oftalmológicas os médicos fazem esse diagnóstico com retinógrafos ou com aparelhos de tomografia óptica. Mas o Aravind, em parceria com uma equipe de especialistas em inteligência artificial (IA) do Google, está tentando automatizar esse processo.

O Google interessou-se em criar um sistema de IA para detectar essa doença logo no início por causa da grande incidência de diabetes na Índia.

Os pesquisadores esperam que esse sistema de IA ajude os médicos a examinarem mais pacientes em um país com um número crescente de casos de retinopatia diabética. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, cerca de 70 milhões de indianos são diabéticos. Existe também uma escassez de oftalmologistas para tratar de uma população tão numerosa. Segundo dados do Conselho Internacional de Oftalmologia, a proporção é de 11 oftalmologistas para cada 1 milhão de pessoas.

Hospitais nos Estados Unidos, Reino Unido e Cingapura também estão testando sistemas automatizados para detectar sinais de retinopatia diabética.

O fundador do Aravind, Govindappa Venkataswamy, ou “Dr. V” como era chamado, um personagem emblemático na Índia, pensou em criar uma rede de hospitais e clínicas oftalmológicas nos moldes das franquias do McDonald’s, para oferecer tratamentos baratos em todo o país. Hoje, existem mais de 40 clínicas oftalmológicas na Índia.

O hospital pretende estender o sistema automatizado de exames oftalmológicos aos vilarejos próximos a Madurai, onde há poucos profissionais para atender a população.

“A tecnologia de IA nos permitirá atender um número muito maior de pacientes”, disse o Dr. R. Kim,  sobrinho do Dr. V, que assumiu a chefia do hospital após sua morte em 2006.

A tecnologia do Google também usa as redes neurais artificiais, modelos computacionais de aprendizado de máquina e de reconhecimento de padrões, em seu sistema automatizado de diagnóstico. As redes neurais são capazes de analisar e identificar sinais de retinopatia diabética em milhões de exames de retina.

No Aravind, telas de computador instaladas nas salas de espera traduzem informações nas inúmeras línguas faladas no hospital.

Como rotina, os técnicos das clínicas oftalmológicas de cidades próximas a Madurai enviam os exames de seus pacientes para que os médicos do Aravind os revisem. O diagnóstico automatizado evitará esse processo mais longo e limitado de tratamento.

Porém, a tecnologia ainda enfrenta obstáculos regulatórios na Índia, em razão de uma burocracia lenta na solução de problemas.

Na opinião de Luke Oakden-Rayner, diretor de pesquisa do Centro de Diagnóstico em Imagem do Royal Adelaide Hospital, na Austrália, os sistemas de inteligência artificial usados em diagnósticos médicos precisarão de novas regras regulatórias, porque as regras existentes não abrangem todas as suas especificidades.

“Em testes com um número limitado de pacientes, a tecnologia do Google está sendo muito eficaz. No entanto, ao ser posta em prática em uma rede de hospitais e clínicas oftalmológicas é possível que surjam problemas de ordem técnica e operacional”, disse Oakden-Rayner.

Fontes:
The New York Times-India Fights Diabetic Blindness With Help From A.I.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *