Início » Internacional » Médico holandês é absolvido por eutanásia em paciente com Alzheimer
HOLANDA

Médico holandês é absolvido por eutanásia em paciente com Alzheimer

Médico foi acusado de não consultar a paciente. Porém, há quatro anos, ela documentou o desejo de ser submetida ao procedimento

Médico holandês é absolvido por eutanásia em paciente com Alzheimer
O julgamento foi visto como um teste importante para as leis da eutanásia da Holanda (Foto: Alberto Biscalchin/Flickr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um médico holandês, de 68 anos, foi absolvido por um tribunal em um caso de eutanásia em uma paciente com Mal de Alzheimer. A Holanda permite a morte assistida desde 2001.

A paciente em questão tinha 74 anos e seria internada. Os promotores acusavam o médico de não ter consultado a mulher sobre a morte assistida. No entanto, há quatro anos, a paciente havia feito uma declaração escrita sobre seu desejo de morrer. O tribunal considerou a prova o suficiente.

Há quatro anos, a paciente afirmou que queria ser submetida à eutanásia em vez de ser internada. No entanto, na declaração, ela escreveu que gostaria de “poder decidir [quando morrer] enquanto ainda estiver em consciência e quando achar que é a hora certa”.

“Concluímos que todos os requisitos da legislação sobre eutanásia foram atendidos. Portanto, o suspeito é absolvido de todas as acusações. […] Acreditamos que, dada a condição profundamente demente da paciente, o médico não precisou verificar seu desejo de eutanásia”, afirmou a juíza Mariette Renckens em sua decisão.

O julgamento foi visto como um teste importante para as leis de eutanásia da Holanda.

O médico, que não foi identificado, colocou um sedativo no café da paciente durante uma refeição com o marido e a filha adulta. A refeição da família se deu sob uma atmosfera “aconchegante”, conforme descreveu o profissional. A mulher, no entanto, não foi dormir, apesar de sentir sono, precisando tomar um novo sedativo através de uma injeção.

Ao tentar aplicar a injeção letal, a mulher acordou e precisou ser contida pela família para permitir a introdução do medicamento. Apesar da tentativa dos promotores de criminalizar a ação do médico, o profissional de 68 anos contou com o apoio da família da paciente. “Libertaram minha mãe da prisão mental em que ela acabou”, afirmou a filha diante do tribunal.

Leia também: As questões éticas que envolvem a morte assistida na Holanda
Leia também: O direito de morrer com dignidade
Leia também: Distúrbios psicológicos justificam a eutanásia na Bélgica

Fontes:
The Guardian-Dutch doctor acquitted in landmark euthanasia case

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *