Início » Economia » Internacional » Nos EUA, tabagismo é problema dos mais pobres
SAÚDE

Nos EUA, tabagismo é problema dos mais pobres

Nos Estados Unidos, o tabagismo deixou de ser um hábito dos ricos para ser dos pobres

Nos EUA, tabagismo é problema dos mais pobres
Entre os que têm diploma de ensino médio, a taxa continua maior que 40% (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Grande parte dos americanos parou de fumar. No entanto, aqueles que persistem no vício são justamente os mais pobres, os que não tiveram acesso à educação ou os que vivem em áreas rurais. O fumo está deixando de ser um hábito dos ricos, para ser um hábito dos pobres. A taxa de fumo nos Estados Unidos caiu drasticamente, atingindo o recorde histórico de 15% entre os adultos. Mas o abismo socioeconômico no país nunca foi tão grande.

Entre os que têm diploma de ensino médio, a taxa de tabagismo continua maior que 40%, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Atualmente, a taxa de residentes rurais diagnosticados com câncer de pulmão está 20% acima da dos residentes urbanos.

Quando o fumo ganhou popularidade no século XX, ele era um hábito dos ricos, era um ato glamoroso, repleto de status. Depois da divulgação de um relatório com suas consequências mortais em 1964, o fumo entre as famílias mais ricas caiu em 62% nas três décadas e meia seguintes. No entanto, entre as famílias mais pobres, a taxa só diminuiu 9%.

Para piorar, grupos de defesa afirmam que os fundos para o fim do tabagismo estão diminuindo. A preocupação é que a vontade política necessária para o controle do tabaco também caia, já que a classe média e alta já consideram o problema do cigarro como resolvido.

Fontes:
The Washington Post-America’s new tobacco crisis: The rich stopped smoking, the poor didn’t

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Lucinda Telles disse:

    Meu vô fumava “paiero” diariamente até os 86 anos; e não morreu disso.
    – Dizem que fumar envelhece a pessoa, dizia ele;
    – Deve ser por isso que estou ficando velho, completava.

  2. Luiz Carlos Pauli disse:

    Isso do cigarro, seus dados e estatisticas são fraudes monstruosas. Em 30 anos, reduziu de 45 para apenas 10,8% o número de fumantes, porém todas as doenças quadriplicara, que se diziam do cigarro. O câncer de pulmão, apenas um exemplo, é o que mais mata não fumantes, está lá bem claro no facebook do dr. Drauzio Varella, e Instituto Lado a Lado. E agora? com todas as mentiras ditas por ativistas antitabaco, o contrabando de cigarros explodiu, chegando a 50% de consumo em todo o Brasil. Culpada em grande parte, é a imprensa, que jamais questionou dados oficias de ongs antitabaco. Tá feito o estrago, eternamente.

  3. Markut disse:

    Eis o lado obscuro do avanço da comunicação fácil e imediata, sujeita a exacerbar as “mentiras” convenientes, que predispõem a convencer a opinião pública a falsas convicções.

  4. Claudio D`Amato disse:

    Não acredito nessas notícias antitabagistas. Muito alarmistas. Desconfio da seriedade.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *