Início » Vida » Saúde » Novo plano para combater a malária
África

Novo plano para combater a malária

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

De acordo com um recente estudo realizado no Quênia, fornecer mosquiteiros gratuitos à população das áreas afetadas pela malária, ao invés de vendê-los, traz melhores resultados.

Uma nova pesquisa da Organização Mundial de Saúde — em apoio ao Fundo Global Contra a AIDS, a Malária e a Tuberculose — revelou que este método também funciona em outros países. Uma equipe de cientistas analisou as operações anti-malária na Etiópia, Gana, Ruanda e Zâmbia. De acordo com a OMS, um milhão de pessoas morre por ano de malária, principalmente na África. Além do mosquiteiro, os países lançaram campanhas em nível nacional contra a malária e, em muitos casos, distribuíram remédios à base de artemisinina.

Na Etiópia, o número de casos relatados entre crianças caiu 60%, e a taxa de mortalidade diminuiu pela metade, no período de dois anos desde o início do programa de distribuição dos mosquiteiros. Em Ruanda, os resultados foram ainda melhores. Os casos da doença e o número de mortes diminuíram dois terços no período de um ano. Baseados nos resultados, os cientistas acreditam que uma campanha de cinco anos, no valor de US$ 10 bilhões, seria o suficiente para controlar a doença na maior parte da África.

Fontes:
Economist - Nets and malaria -- Malaria and how to beat it

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Ademir disse:

    Sempre fui contra o "voto-de-cabresto" representado pelos "programas sociais" "bolsa-qualquer-coisa" que os governichos do Brasil têm apresentado, numa maneira de lhes garantir a permanência no poder, mas, seria interessante que nestes "programas" fossem incluidos pelo menos 5 (cinco) mosquiteiros (para rede) a cada 12 (doze) meses, isto é, por ano, para que se faça uma prevenção contra malária, febre amarela, etc… doenças transmitidas pelos pernilongos (carpanã, na Amazônia). A saúde pública e o SUS economizariam muito com o tratamento, porém as funerárias iriam perder dinheiro, diminuindo o que pagam de impostos, o governicho atual fará a escolha: distribuir mosquiteiros ou perder a grana dos impostos… deve considerar que vai conseguir mais "votos-de-cabresto" com uma boa "campanha publicitária" (que rende bastante para a mídia-amestrada)… com a palavra o "nosso guia", os "conselheiros" José Dirceu, Duda Mendonça e… a "rainha do botox".

  2. rcl disse:

    Para além da discussão entre o público e o privado. É epidemia, distribuição gratuita de kits, medicamentos, vacinas e mosquiteiros. Melhor que ficar discutindo quanto vai custar as doses de vacinas, em tempos de "peste".

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *