Início » Notícia » O número crescente de falsos animais de apoio emocional
SAÚDE MENTAL

O número crescente de falsos animais de apoio emocional

É fácil conseguir que um animal de estimação seja designado como um animal de apoio emocional. Mas o abuso do sistema afeta pessoas com necessidades reais

O número crescente de falsos animais de apoio emocional
Em 2018, a Delta Air registrou um aumento de 84% em incidentes com animais desde 2016 (Foto: Jazmin Smith/U.S. Air Force)

Para promover seu animal de estimação ao status de “animal de apoio emocional” (ESA, em inglês), tudo o que você precisa é de uma carta do terapeuta afirmando que o animal contribui para o seu bem-estar psicológico.

Se você não tem um terapeuta, existem sites com fins lucrativos, conhecidos por alguns psicólogos como “usinas”, que facilitarão uma avaliação rápida e duvidosa da deficiência por um médico por telefone ou por meio de uma pesquisa na Web e venderão a você diferentes itens como coletes e etiquetas (nenhum dos quais são legalmente exigidos para os donos de animais de assistência a ter) para fazer você parecer mais oficial.

Embora os animais de apoio emocional não sejam legalmente autorizados a se aventurar em todos os lugares em público com seus proprietários (somente os animais de serviço, como o cão-guia, têm esse direito), eles trazem vantagens. Equipado com uma carta do terapeuta, você pode levar seu animal de estimação a um apartamento ou dormitório sem animais e voar com seu animal de estimação na cabine de um avião gratuitamente. E nada impede que os proprietários desses animais peçam mais acomodações.

Em 2014, a nova-iorquina Patricia Marx vagueou livremente pela cidade com cinco animais com licenças falsas, incluindo uma cobra, uma alpaca e um porco chamado Daphne, demonstrando como é fácil conseguir deixar animais aleatórios em suas lojas, museus e restaurantes.

Embora nenhum órgão regulador acompanhe a cifra, um estudo da Universidade da Califórnia em Davis determinou que o número de animais de apoio registrados pelas unidades de controle de animais no estado aumentou 1.000% entre 2002 e 2012. Até 2015, o National Service Animal Registry, um de vários sites que vendem certificados, registraram mais de 65.000 animais de assistência. Nos quatro anos desde então, esse número aumentou 200%.

Em 2018, a Delta Air registrou um aumento de 84% em incidentes com animais desde 2016, incluindo micção, defecação e mordida. Relatos recentes de mídia de pavões de apoio emocional causando pandemônio em aeroportos e cachorros invadindo o palco durante performances do espetáculo Cats contribuíram ainda mais para a sensação de que esses animais são uma epidemia, parte de um zoológico onde morder, defecar e praticamente qualquer outra coisa vai acontecer.

Para pessoas que têm deficiências genuínas, a situação está se tornando insustentável.

Ryan Honick, de 33 anos, cujo seu cachorro de serviço, o labrador Pico, o ajuda em uma infinidade de tarefas diárias, diz que as pessoas nas mídias sociais que transmitem seus animais de estimação fraudulentos o enfurecem.

Não só os falsos ESAs podem distrair ou atacar os cães de serviço de trabalho, mas os prestadores de serviços que foram incomodados pelo mau comportamento de um animal de estimação indisciplinado muitas vezes não aceitam acomodar todos os animais depois disso. A Delta Air, por exemplo, recentemente baniu todos os animais de apoio de voos com mais de oito horas.

Honick atua em nome de Canine Companions for Independence, um grupo sem fins lucrativos que auxilia pessoas que precisam de animais de serviço para mitigar os efeitos das deficiências físicas. Ele tenta educar os outros sobre a diferença entre animais de serviço e animais de apoio emocional.

Um leigo geralmente não entende que um cão de serviço é um superanimal de US$ 20.000 que pode cheirar convulsões ou guiar cegos, e um animal de apoio emocional é mais como um animal de estimação que não sabota ativamente a saúde mental de seu dono.

Sob o Americans with Disabilities Act, apenas animais de serviço como o Pico têm proteções legais e o direito de estar com seus proprietários em qualquer espaço (aviões e prédios residenciais têm suas próprias legislações federais reconhecendo tanto animais de serviço quanto ESAs).

Os animais de serviço só podem ser cães altamente treinados ou cavalos com baixa estatura (American Miniature Horse, no original) capazes de realizar tarefas específicas. Animais de apoio emocional podem ser de qualquer espécie ou raça. Eles não precisam de treinamento formal, tornando-os muito mais propensos a comportamentos inapropriados.

De relance, animais falsos de apoio emocional podem parecer um produto de um direito desenfreado, mas podem refletir algo mais complexo.

Os Institutos Nacionais de Saúde relatam que “estudos descobriram que animais podem reduzir a solidão, aumentar sentimentos de apoio social e melhorar seu humor”, e qualquer dono de animal pode confirmar que ter um companheiro animal é um dos antídotos não farmacêuticos mais eficazes para a ansiedade que você pode obter.

Enquanto isso, a ansiedade generalizada foi identificada recentemente como uma condição de saúde mental e é apenas compreendida provisoriamente, mas seus níveis relatados estão aumentando ao longo das gerações.

As causas estão frequentemente fora de nosso controle, ou parecem (mudanças climáticas, violência armada, estresse financeiro), mas a responsabilidade de manter nossa saúde mental sob controle recai diretamente sobre os indivíduos. Para nos sentirmos razoavelmente bem, somos aconselhados a nos exercitar, dormir mais, comer com sabedoria e talvez nos aconchegar com um pet.

Talvez seja por isso que os millennials, “a geração ansiosa”, também são os maiores e mais entusiasmados demógrafos de donos de animais de estimação dos Estados Unidos, com uma pesquisa de 2018 relatando que dos 72% dos que são donos de animais de estimação, 67% os consideram “bebês ou filhos”. 

Certamente, muitas pessoas que obtêm para seus animais de estimação são egoisticamente motivadas por conveniência – elas só querem levar seus animais de estimação para aviões ou para a Starbucks. Mas outros veem isso como uma maneira de se automedicar sem gastar tempo e dinheiro em uma avaliação psicológica oficial para confirmar o que eles já sabem: que a ansiedade está afetando seu bem-estar.

Leia também: Ter um animal de estimação ajuda a combater a depressão

Fontes:
The Guardian-The number of fake emotional support dogs is exploding – why?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Almanakut Brasil disse:

    Prostituto – Dicionário inFormal

    O que é prostituto: Garoto de programa. Homem que oferece serviços sexuais em troca de dinheiro.

    Prestes a se filiar no PSDB, Alexandre Frota já chamou partido de corrupto

    iG – 16/08/2019

    https://www.youtube.com/watch?v=5LAHdvD88H8

  2. Roberto Henry Ebelt disse:

    Repito: os EUA não serão destruídos por seus verdadeiros inimigos, tais como os chineses, os xiitas e sunitas, mas pelos seus inimigos internos, os politicamente corretos, os “fake Americans”, que são veganos, não comem glúten, bebem litros incontáveis de água por dia e não conseguem viver sem um pet fedorento e que são eleitores dos “democratas”. Sábio foi Karl Marx que lançou as bases da correção política, a certeira razão da queda do império americano que tanto bem já fez para este triste mundo em que vivemos. Não vale a pena chorar pelos argentinos; choremos pelos americanos que nos proporcionaram melhores condições de vida com sua criatividade, inteligência e iniciativa e que hoje são sabotados diariamente pelos “fake Americans”.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *