Início » Notícia » OMS associa aumento nos casos de DSTs a aplicativos de namoro
ALERTA DA OMS

OMS associa aumento nos casos de DSTs a aplicativos de namoro

Organização Mundial da Saúde alerta que aplicativos de namoro estão contribuindo para mais de um milhão de novas infecções por DSTs

OMS associa aumento nos casos de DSTs a aplicativos de namoro
Aproximadamente uma em 25 pessoas está infectada com uma ou mais dessas doenças (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os aplicativos de namoro e o estigma de saúde sexual estão contribuindo para mais de um milhão de novas infecções por doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) todos os dias e impulsionando uma onda de cepas de superbactérias intratáveis, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Existem 376 milhões de diagnósticos por ano de DSTs tratáveis como clamídia, gonorreia, sífilis e tricomoníase entre pessoas com menos de 50 anos, segundo dados da OMS.

Embora a maioria das infecções seja atualmente tratável com antibióticos, a OMS disse que a resistência a medicamentos é uma ameaça crescente, particularmente na gonorreia, que “poderia levar à impossibilidade de tratar a doença”.

A doutora Teodora Wi, médica oficial da OMS sobre DST, disse que já havia “taxas muito altas” de gonorreia resistente a drogas de primeira escolha, como os antibióticos quinolonas, e era um problema emergente para tratamentos alternativos como a azitromicina.

 “Com mais frequência, estamos vendo resistência emergente à ceftriaxona, que é o tratamento de última linha para a gonorreia”, disse Wi, “com a sífilis também mostrando sinais de resistência à azitromicina”.

Aproximadamente uma em 25 pessoas, globalmente, está infectada com uma ou mais dessas doenças, e cada vez que os antibióticos são usados para tratá-las, aumenta as chances de surgimento de resistência aos medicamentos.

Elas também são uma das principais causas de infertilidade, doenças crônicas e complicações no parto. A sífilis sozinha causou 200.000 natimortos e mortes de recém-nascidos em 2016.

A OMS alerta que praticamente não houve redução nas taxas de infecções por DST desde 2012. Reduzir isso exigirá medidas para combater o estigma sobre o uso de contraceptivos e testes de saúde sexual, mas a natureza mutável dos relacionamentos e a influência da nova tecnologia também podem ser um fator.

“O sexo está se tornando mais acessível”, disse Wi. “Você tem aplicativos de namoro e isso provavelmente é um fator. Se é acessível e você tem mais sexo, você tem mais DSTs”.

Há também a questão da falta de acesso aos serviços de teste, o que significa que muitas pessoas podem ficar sem diagnóstico por anos até que apresentem sintomas. A OMS solicitou aos pesquisadores que desenvolvessem um sistema de estilo de teste de gravidez para diagnosticar doenças sexualmente transmissíveis de forma barata em países sem programas de testes nacionais.

Mas as DSTs também estão aumentando em países como o Reino Unido. Os diagnósticos de gonorreia aumentaram em 26% na Inglaterra no ano passado e houve três casos extensivamente resistentes a medicamentos em 2018.

No entanto, o governo britânico reduziu os orçamentos para serviços de saúde sexual repetidamente desde 2010, e a OMS disse que esses tipos de decisões devem ser revertidos. “A infecção sexualmente transmissível não deve ser tratada de forma diferente de qualquer outra infecção”, disse Wi. “Não podemos varrê-los para debaixo do tapete e fingir que eles não existem”.

Fontes:
Independent-Dating apps blamed as a million new STD cases diagnosed every day amid warnings infections are becoming untreatable

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *