Início » Pelo Mundo » Onde não ser um bebê
Mortalidade

Onde não ser um bebê

Como as taxas de mortalidade infantil mudaram desde 1970

Onde não ser um bebê
Meta da ONU é reduzir a mortalidade a um terço do que era em 1990 (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A frequente morte de crianças antes do seu quinto aniversário é tanto um desastre para os seus pais como um dos mais confiáveis indicadores da pobreza de um país. Avanços na medicina neonatal e nos programas de vacinação significam que grandes melhorias têm sido feitas, tanto nos países ricos como nos emergentes, na redução da taxa de mortalidade infantil.

Por exemplo, em Mali nos anos 70, 37% das crianças nascidas não alcançavam o seu quinto aniversário. Em 2010, esta taxa ficou notavelmente abaixo dos 18%. Sair daí e chegar aos níveis vistos nos países ricos é maisdifícil.

Uma das metas do programa Metas de Desenvolvimento do Milênio, das Nações Unidas, requer que por volta de 2015 os países em desenvolvimento reduzam sua taxa de mortalidade de crianças com menos de cinco anos a um terço do que era em 1990. Apenas 17 países alcançaram essa meta em 2010; notadamente entre eles estavam o Brasil, o Egito e a Turquia.

Enquanto a China, que tem 13% dos 636 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade no mundo está no caminho para atingir a meta até 2015, ela estará apenas entre outros 23 países a fazê-lo, deixando 101 países que não alcançarão a meta.

Fontes:
The Economist - Where not to be a toddler

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *