Início » Vida » Saúde » Plano de erradicar pólio até 2012 pode não se concretizar
Saúde

Plano de erradicar pólio até 2012 pode não se concretizar

Iniciativa Global já se aproximou de seu objetivo, mas esbarrou em diversos problemas em países como Nigéria e Afeganistão

Plano de erradicar pólio até 2012 pode não se concretizar
Vacinação deverá continuar mesmo que objetivo da erradicação seja alcançado em 2012

A presunção é sempre perigosa. Em 1977, a varíola foi erradicada e – salvo por uma infecção acidental em um laboratório britânico no ano seguinte – essa afirmação sobreviveu ao teste do tempo. Tendo eliminado uma doença viral, as autoridade decidiram que deveriam ser capazes de se livrar de outra: a pólio. A doença, no entanto, se mostrou um oponente mais forte. A meta original da Organização Mundial de Saúde, definida em 1988, era conseguir um mundo livre da pólio em 2000, e se provou ilusória.

O novo prazo determinado pela Iniciativa Global de Erradicação da Pólio (GPEI), o órgão multinacional encarregado de lidar com a doença, é o ano que vem. No dia 20 de julho, no entanto, Sir Liam Donaldson, ex-ministro da saúde britânico e hoje presidente do conselho de um comitê independente de observação que analisa as atividades da GPEI, publicou um relatório que afirma que esse também é um prazo arriscado.

Na verdade, a GPEI fez um belo trabalho. O número de casos de pólio é um mero 1% dos índices registrados em 1988. Mas esse número já se mantém por anos, e combater os últimos casos remanescentes tem se mostrado mais difícil que o esperado.

A pólio é um desafio para países de políticas instáveis e sistemas de saúde fracos. Para conter as epidemias, a vigilância deve estar sempre alerta: o vírus costuma permanecer oculto, paralisando apenas um em cada 200 infectados. Além disso, a vacina é delicada e deve ser mantida sob refrigeração, e a imunização depende de várias aplicações.

Hoje a pólio é endêmica em apenas quatro países: Afeganistão, Índia, Nigéria e Paquistão. No entanto, reapareceu em vários outros, e cada país tem seus próprios problemas. No Afeganistão, a GPEI não conseguiu interromper o contágio em 13 distritos arrasados pela guerra. A maior parte da Índia está livre da doença, mas os estados de Uttar Pradesh e Bihar continuam a registrar casos de pólio. Em 2003 e 2004, a Nigéria foi vítima de rumores que afirmavam que a vacina contra pólio esterilizaria as crianças e a infectaria com o vírus da AIDS. E embora no Paquistão a incidência de pólio tenha sido reduzida em dez vezes entre 1995 e 2000, conflitos, falta de saneamento básico e uma população nômade ajudaram o número de casos a ter um crescimento de 62% no ano passado.

Em 2010, a GPEI adotou uma nova estratégia, com o objetivo de interromper a disseminação da doença até 2012. Se, três anos mais tarde, nenhum caso tiver sido registrado, a doença será considerada erradicada. Uma prioridade da nova estratégia é trabalhar cuidadosamente com os líderes locais, para conseguir apoio para a imunização.

Na Ásia, onde os casos de pólio estão estão concentrados em poucos lugares, a GPEI criou planos específicos para cada um deles. Por exemplo, uma melhor coordenação entre o Afeganistão e o Paquistão ajudaria a controlar a o contágio através da fronteira. Na África, onde o vírus se espalha por uma série de países, a GPEI intensificaria atividades em países como Angola, Chade, Guiné e Mali, onde a pólio reapareceu recentemente. A resposta a novas epidemias seria mais rápida e intensa; a administração de vacinas, mais ampla. E uma nova e mais eficaz vacina oral também ajudaria.

O comitê de Sir Liam é um produto dessa nova estratégia, e agora cumpre seu papel apontando onde outros componentes estão dando errado. Embora a Índia tenha demonstrado progresso, as eleições interromperam o progresso na Nigéria. Já o plano de emergência do Paquistão parece ter tido pouco efeito: o país registrou 54 casos em 2011, o dobro do registrado no primeiro semestre de 2010.

Países onde a pólio reapareceu também estão lutando. O Chade, por exemplo, demorou para por em prática um plano intenso de ação. A estratégia original da República Democrática do Congo era a de concentrar a vacinação em três províncias. No entanto, o contágio se espalhou, e agora uma campanha mais ampla será necessária.

Mais de US$ 8 bilhões foram gastos até agora, e mais de US$ 1 bilhão veio da Fundação de Bill e Melinda Gates. O casal espera que seu investimento pague um grande dividendo. Um estudo recente estima que a erradicação da pólio traria um lucro líquido entre US$ 40 e 50 bilhões entre 1988 e 2035. Mas esses números partem da premissa de que a pólio será erradicada no ano que vem.

Donald Henderson, o médico que comandou a campanha para livrar o mundo da varíola, prevê que mesmo que a pólio seja considerada erradicada, a vacinação terá que continuar, por garantia. Isso aumentaria os custos. Por enquanto, a GPEI está determinada. Mas a campanha de erradicação não pode durar para sempre.

 

 

Fontes:
The Economist - "Late? Or never?"

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *