Início » Internacional » Amigos nas redes sociais estão fazendo você gastar mais dinheiro
ESTUDO

Amigos nas redes sociais estão fazendo você gastar mais dinheiro

Uma nova pesquisa aponta que a ostentação nas redes sociais de amigos e conhecidos pode estar fazendo com que outros gastem mais dinheiro

Amigos nas redes sociais estão fazendo você gastar mais dinheiro
Taxa de poupança pessoal está abaixo de algumas décadas atrás (Foto: Pixabay)

Famílias americanas não economizam dinheiro como costumavam fazer. Em 2018, a taxa de poupança pessoal girava em torno de 7%. Isso é acima de maior baixa de todos os tempos de 3% antes da Grande Recessão, mas está bem abaixo da taxa de algumas décadas atrás.

Existem várias explicações possíveis para isso. O crescimento salarial desacelerou, enquanto necessidades como moradia e assistência médica se tornaram mais caras, tirando uma boa parte da renda pessoal. A ascensão do crédito fácil tornou os gastos maiores do que nunca. Planos de pensão foram substituídos.

Agora, uma equipe de economistas americanos e canadenses propôs uma nova explicação para o declínio da taxa de poupança, um enraizado na psicologia individual. Em sua essência, há uma observação simples: os gastos pessoais são muito mais visíveis para os outros do que nenhum gasto. Mudanças no panorama da mídia tornaram os gastos de outras pessoas mais visíveis do que nunca. Isso, por sua vez, está fazendo com que todos nós gastemos ainda mais – e economizemos ainda menos.

Os seres humanos são criaturas sociais e temos a tendência de avaliar nossa posição na vida em relação ao que nossos amigos e vizinhos estão fazendo. Por causa disso, quando vemos outras pessoas gastando dinheiro, temos a tendência de pensar que podemos – ou deveríamos – estar gastando também.

“Um barco estacionado em uma garagem chama a atenção dos vizinhos mais do que a ausência de um barco”, explicam os economistas. “Da mesma forma, é mais perceptível quando um amigo ou conhecido é visto comendo fora, ou relatos de fazer uma viagem cara do que quando não está, ou compra um produto agradável em comparação com não fazê-lo”.

Esses sinais de outras pessoas são particularmente poderosos, em parte porque muitos de nós têm uma incerteza considerável sobre quanto deveríamos gastar. “Há uma grande quantidade de evidências sugerindo que as pessoas estão, na verdade, ‘agarrando-se às palhas’ em suas decisões de poupança, o que sugere que elas podem buscar ajuda social”, escrevem os autores.

David Hirshleifer, um dos autores, disse por e-mail que “poupar é o outro lado do consumo, e é tentador pensar que você está economizando o suficiente porque você não está dando festas extravagantes ou fazendo viagens caras como algumas pessoas que você conhece.” Mas, adverte ele, “essa autocongratulação é traiçoeira, porque esses cruzeiros e festas podem não ser típicos de seus conhecidos – eles apenas se destacam na memória”.

Há 50 anos, os nossos quadros de referência para os nossos hábitos de consumo eram relativamente pequenos. Nós tínhamos nossos vizinhos e amigos, é claro, assim como as pessoas com quem interagíamos no trabalho. Mas tudo isso mudou. A televisão nos trouxe coisas como “estilos de vida dos ricos e famosos”, a Rede de Compras Domésticas e, eventualmente, programas de TV em que os competidores são levados para as ilhas tropicais para desfrutar de refeições caras.

Em seguida veio a Internet, com fóruns de discussão e sites especializados, onde postagens sobre compras de novos produtos “são mais interessantes e, portanto, mais prováveis de ocorrer, do que uma postagem para anunciar a notícia de que o indivíduo não comprou nada hoje”, segundo apontam os autores.

Agora nós temos mídias sociais. Podemos fazer o login para ver as crianças desembrulharem brinquedos caros no YouTube. O Facebook nos permite ficar em contato com os nossos ricos colegas de faculdade, que sempre parecem estar de férias. Podemos criar e compartilhar registros detalhados das coisas que consumimos em sites como o Yelp e o TripAdvisor. Podemos ver o que nossos colegas de trabalho comeram na noite passada no Instagram.

O efeito líquido dessa saturação de mídia de consumo é que somos bombardeados todos os dias com sinais para consumir, consumir, consumir – e isso antes mesmo de você parar para considerar o surgimento de uma indústria inteira, publicidade, dedicada a separar os consumidores de seu dinheiro. “As pessoas inferem que a baixa poupança é uma boa ideia”, como os autores apontam.

Eles gastam boa parte de seu trabalho desenvolvendo um modelo matemático sofisticado para explicar exatamente como funciona esse processo de contágio de consumo. Uma das implicações de sua pesquisa é que encontrar maneiras de tornar os gastos não mais visíveis pode ajudar as pessoas a desenvolverem visões mais realistas do gasto geral e do comportamento de poupança.

Fontes:
The Washington Post-Your friends’ social media posts are making you spend more money, researchers say

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Almanakut Brasil disse:

    Se o Congresso Nacional ainda não instalou a CPI da impUNE, dificilmente fará o mesmo com redes sociais, que além de continuarem com seus robôs, suas violações ao art.5º da Constituição e sua declarada posição ideológica, pintam e bordam no país das organizações criminosas.

  2. ACM disse:

    Interessante esse artigo !
    .
    De fato, como o crescimento (do PIB e dos lucros) depende do aumento do consumo, as empresas induzem todos a gastar mais, e entrado agora as redes sociais nessa inducao alienante. O resultado e’ o do artigo: o espirito de manada empobrecendo a todos (mimetismo social). Alem de destruir o planeta, com o aumento do lixo nao reciclado.
    .
    Esse comportamento e’ exatamente o oposto a Warren Buffett (um dos mais ricos).
    .
    Com efeito, sem poupanca (o dinheiro q sobra todo mes) ninguem cresce: apenas afunda e se endivida. E isso inclui o Brasil: “O Brasil tem revelado historicamente uma baixa taxa interna de poupança. E nos últimos anos vêm declinando ainda mais.” (http://www.abrapp.org.br/Documentos%20Pblicos/entrevista_ipea.pdf). Este artigo tb mostra que a poupanca dos governos e’ negativa (o conhecido “black hole” economico: o q entra desaparece, mormente na Previdencia Social).
    .
    Duas boas obras ja descreveram essa situacao consumista: “A civilizacao do espetaculo” de Mario Vargas Llosa (Objetiva, 2013), e “Dez argumentos para voce deletar agora suas redes sociais” de Jaron Lanier (Intrinseca, 2018).
    .

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *