Início » Internacional » As redes sociais e a saúde mental
TECNOLOGIA E SAÚDE

As redes sociais e a saúde mental

Abuso das redes sociais pode ter conexão com doenças como depressão e ansiedade

As redes sociais e a saúde mental
Uma solução óbvia para o problema é reduzir o tempo de uso das redes sociais (Foto: Pexels)

O dia 20 de maio marca o fim da “semana de conscientização sobre saúde mental”, uma campanha da Fundação de Saúde Mental, uma instituição de caridade britânica. Cerca de um quarto dos adultos britânicos foram diagnosticados em algum momento com um distúrbio psiquiátrico, custando à economia cerca de 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) por ano. Essas doenças têm muitas causas, mas um corpo crescente de pesquisas demonstra que, nos jovens, elas estão ligadas ao consumo pesado de mídias sociais.

De acordo com uma pesquisa realizada em 2017 pela Royal Society for Public Health, os britânicos de 14 a 24 anos acreditam que o Facebook, o Instagram, o Snapchat e o Twitter têm efeitos prejudiciais sobre o seu bem-estar. Em média, eles informaram que essas redes sociais deram um espaço extra para a autoexpressão e a construção de comunidades. Mas eles também disseram que as plataformas aumentaram a ansiedade e a depressão, privaram-nos do sono, os expuseram ao bullying e criaram preocupações sobre sua imagem corporal e o “FOMO” (“medo de ficar por fora”). Estudos acadêmicos descobriram que esses problemas tendem a ser particularmente graves entre os usuários frequentes.

Sean Parker, presidente fundador do Facebook, admitiu que o produto funciona “explorando uma vulnerabilidade na psicologia humana”. De fato, um experimento de cinco neurocientistas em 2014 concluiu que o Facebook aciona a mesma parte impulsiva do cérebro que os jogos de azar e o abuso de drogas. No entanto, é difícil provar que ficar obcecada com curtidas e comentários causa doenças mentais, e não o contrário. O esforço mais convincente foi de uma pesquisa que acompanhou um grupo de 5.208 americanos entre 2013 e 2015. Verificou-se que um aumento na atividade do Facebook foi associado a uma diminuição na saúde mental.

Uma solução óbvia para o problema é reduzir o tempo de uso das redes sociais. Mesmo os usuários mais obsessivos devem ser capazes de se afastar por um tempo. O estudo neurocientífico no Facebook descobriu que os viciados em redes sociais teriam menos dificuldades para se afastarem do que os viciados em drogas ou jogos de azar. E os dados do Moment, um aplicativo de rastreamento de atividades, mostram que é possível que os usuários leves de mídias sociais também tenham acesso ao conteúdo.

A cada semana, foi perguntado para os seus 1 milhão de usuários se estão felizes ou tristes com a quantidade de tempo que gastaram em diferentes plataformas. Quase 63% dos usuários do Instagram dizem estar tristes, uma parcela maior do que qualquer outra rede social. Eles gastam uma média de quase uma hora por dia no aplicativo. Os 37% que estão felizes gastam em média pouco mais da metade do tempo.

A taxa de felicidade é muito maior para o FaceTime (91%), um aplicativo de videochamada, e para ligações telefônicas (84%). Quando se trata de redes sociais, conversas reais são difíceis de bater.

 

Leia também: Redes sociais podem aumentar sensação de solidão, diz estudo
Leia também: Seus dados estão seguros na rede?

Fontes:
The Economist-How heavy use of social media is linked to mental illness

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Áureo Ramos de souza disse:

    E ficara igual a cantiga da Peua: de pior a pior

  2. Almanakut Brasil disse:

    Além do mais, os que mais choramingavam por liberdade de imprensa e liberdade de expressão na época do Regime Militar, o brando, hoje são os maiores censores da internet e de outros meios de comunicação!

    E os que mais tinham liberdade nas ruas naquela época, hoje estão aprisionados!

  3. Markut disse:

    Comentário oportuníssimo,para esta ameaça epidêmica , quanto à saude mental, que já se tornou pandêmica.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *