Início » Internacional » China exige reconhecimento facial para usuários de celular
TECNOLOGIA

China exige reconhecimento facial para usuários de celular

Chineses são obrigados a passar pelo procedimento para adquirir chips. Governo diz que medida 'protege direitos e interesses dos cidadãos no ciberespaço'

China exige reconhecimento facial para usuários de celular
Críticos afirmam que medida é um ataque à privacidade (Foto: Flickr/Gauthier Delecroix)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A China começou a obrigar no último domingo, 1, usuários de celular a fazerem reconhecimento facial quando adquirirem novos chips – cartão SIM. As diretrizes já tinham sido anunciadas no último mês de setembro.

Anteriormente, ao contratar o serviço de uma operadora de celular, os usuários já tinham que apresentar a carteira de identidade, como ocorre em vários países, e permitir que uma foto fosse registrada. No entanto, agora, os usuários terão que permitir que os seus rostos sejam digitalizados.

O Ministério da Indústria e da Informação da China afirmou que o objetivo é “proteger os legítimos direitos e interesses dos cidadãos no ciberespaço” – em 2017, com o mesmo objetivo, a China passou a exigir que plataformas da internet verificassem a identidade dos usuários antes de permitir a publicação online.

A China é um dos países mais avançados do mundo no campo do reconhecimento facial. Em 2017, a rede de fast food KFC já havia adotado o sistema de venda por reconhecimento facial no país. O governo chinês já utiliza a tecnologia para monitorar perfis raciais e controlar os muçulmanos uigures.

O governo também utiliza o reconhecimento facial para observar os alunos, monitorando as expressões dos estudantes para verificar se eles estão prestando atenção na aula. As câmeras também verificam os alunos nos portões das instituições de ensino.

Críticos, porém, apontam a possibilidade do quanto isso vai atacar a privacidade de cada pessoa. Kenneth Roth, diretor-executivo da Human Rights Watch (HRW), usou as redes sociais para classificou a nova ação da China como uma ampliação do seu “estado de vigilância distópica”.

No microblog chinês Weibo, a decisão do governo dividiu opiniões. Enquanto alguns chineses defendiam a implementação do reconhecimento facial, alegando que a medida dificultaria crimes como roubo de identidade, outros criticavam a falta de privacidade com a nova iniciativa.

“Por favor, deixe-nos com um pouco de privacidade”, escreveu um usuário. “Não há nem um pouco de espaço para a liberdade. Tudo é controlado. Você não pode dizer o que quer ou escolher o que quer”, afirmou outro internauta, segundo noticiou o Guardian.

Leia mais: China monitora celulares de quem entra em Xinjiang
Leia mais: O que é reconhecimento facial – e quão sinistro é isso?
Leia mais: Os riscos da tecnologia de reconhecimento facial

Fontes:
The Guardian-China brings in mandatory facial recognition for mobile phone users
BBC-China due to introduce face scans for mobile users

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *