Início » Internacional » Facebook bane sete páginas de extrema-direita
REDES SOCIAIS

Facebook bane sete páginas de extrema-direita

Medida também vale para o Instagram. Algumas páginas já haviam sido banidas de outras redes sociais em 2018

Facebook bane sete páginas de extrema-direita
Páginas eram acusadas de promover conteúdo violento e de ódio (Foto: Divulgação/Facebook)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Facebook e o Instagram baniram na última quinta-feira, 2, sete páginas acusadas de promover conteúdos violentos e de ódio. Todas as páginas eram de perfil ultraconservador, de extrema-direita.

O principal banimento foi do teórico da conspiração Alex Jones, fundador do portal Infowars – que também foi proibido na plataforma. Em 2018, Jones e a Inforwars já haviam sido expulsos de outras redes sociais. Na época, segundo o Twitter, o teórico conspiracionista violava a política de comportamento da plataforma.

Além de Jones e o Infowars, também foram banidos do Facebook: o nacionalista negro e líder religioso Louis Farrakhan, criticado por afirmações antissemitas; Milo Yiannopoulos, ex-editor da Breitbart, que foi banido do Twitter em 2016, por liderar uma campanha de assédio contra uma atriz; Laura Loomer, criticada por comentários islamofóbicos dirigidos à deputada democrata Ilhan Omar; o nacionalista branco Paul Nehlen; e o colaborador do Infowars Paul Joseph Watson.

“Indivíduos e organizações que disseminam ódio, ou atacam ou pedem a exclusão de outro com base no que eles são, não têm lugar no Facebook”, afirmou a plataforma, através de um comunicado. Um porta-voz da empresa disse que o Facebook sempre baniu páginas com envolvimento em violência ou ódio.

Watson, no entanto, ainda tem uma conta no Twitter. Na última quinta-feira, o colaborador do Infowars admitiu que havia sido banido do Facebook, mas revelou que a rede social não deu razão para o seu banimento, visto que ele não havia quebrado nenhuma das regras da plataforma.

“Em uma sociedade autoritária controlada por um punhado de gigantes do Vale do Silício, todos os dissidentes devem ser removidos”, escreveu Watson como uma forma de crítica ao Facebook.

Já um texto compartilhado no portal Infowars faz menção às eleições de 2020, quando o republicano Donald Trump vai tentar a reeleição. Para o portal, a iniciativa do Facebook é uma “incomparável censura” que “cheira a desespero”.

“Provavelmente serve como um meio para as mídias sociais impedirem as chances de reeleição do presidente sufocando o discurso que apoia a agenda de Trump até 2020, o que é concebível, dado que o atual candidato democrata Joe Biden, não é exatamente um candidato rockstar”, diz o texto.

As redes sociais vêm enfrentando intensas críticas por, supostamente, não estarem trabalhando para impedir a divulgação de notícias falsas e conteúdos extremistas e odiosos. No fim de abril, deputados britânicos acusaram empresas de mídias sociais de promoverem conteúdos extremistas.

O banimento, apesar de ter agradado a maioria dos críticos, não foi livre de críticas. Analistas enxergaram a ação do Facebook como tardia, enquanto outros acreditam que mais precisa ser feito. Por outro lado, defensores e seguidores das páginas banidas enxergam a decisão como uma censura, como uma forma de limitação do discurso.

A medida tomada pelo Facebook surpreendeu, pois, em julho de 2018, a empresa havia se posicionado, através da sua conta no Twitter, contra o banimento de usuários da plataforma. Naquele momento, a rede social apenas limitava a propagação do conteúdo.

Na época, a plataforma disse que entendia quem discordava da posição, mas não acreditava que “proibir páginas por compartilhar teorias da conspiração ou notícias falsas é o caminho certo para ir”.

Leia também: Como o discurso de ódio contamina as redes sociais

Fontes:
The New York Times-Facebook Bars Alex Jones, Louis Farrakhan and Others From Its Services
El País-Facebook fecha de vez páginas célebres da extrema direita nos Estados Unidos
DW-Facebook bane extremistas de suas redes sociais

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Almanakut Brasil disse:

    Facebook é a maior CORJA de canalhas que já existiu na história da internet.

    Com esse argumento típico de um pilantra como o Zuckerberg, manipularam a rede social à favor de esquerdistas como as mídias sujas do PT e continuam manipulando a rede, inclusive através de contas inativas.

    A exclusão de páginas e perfis por conta própria dos internautas nessa rede social é maior do que se pensa, mas o Facebook mantém as mesmas como ativas, para enganar quem anuncia.

    Lá fora, os parlamentos constantemente convocam os responsáveis, mas aqui, a única coisa que os poderes públicos conseguiram fazer, em especial o judiciário, foi tirar um dinheirinho gordo através de multas, ao qual não sabe onde foi empregado.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *