Início » Notícia » Facebook cria ferramenta de censura para entrar na China
REDE SOCIAL

Facebook cria ferramenta de censura para entrar na China

Companhia americana desenvolve internamente um software capaz de censurar conteúdos baseado na localização geográfica do usuário da rede social

Facebook cria ferramenta de censura para entrar na China
Companhia de Mark Zuckerberg visa retornar ao mercado chinês (Foto: Flickr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O Facebook desenvolveu uma ferramenta com capacidade de censurar conteúdos publicados na rede social em zonas geográficas específicas, informou o jornal americano New York Times. Segundo o periódico, a ferramenta é uma investida para acabar com o bloqueio à companhia americana na China para a rede social operar no país.

De acordo com funcionários e ex-funcionários do Facebook ouvidos pelo jornal, uma equipe liderada pelo vice-presidente da empresa, Vaughan Smith, vem trabalhando em um software que monitora conteúdos na rede social e os suprime da página de usuários em determinadas regiões do mundo.

O Facebook, no entanto, não faria censura direta. De acordo com o jornal, a empresa passaria a responsabilidade de bloquear os conteúdos da rede social a um terceiro, que pode ser um sócio localizado na China.

As fontes do New York Times, que falaram em condição de anonimato, informaram que a ferramenta está sendo desenvolvida secretamente e por conta disso não tem uma data oficial para entrar em funcionamento.

Proibida de operar no país desde 2009, a empresa já vinha demonstrando interesse em retornar ao mercado chinês. “Afirmamos há algum tempo que estamos interessados na China e dedicamos espaço a aprender e compreender cada vez mais este país”, disse um porta-voz da companhia em um email ao jornal americano.

Além do Facebook, outras mídias sociais tentaram atravessar o rígido controle da internet chinesa e acabaram proibidas de operar no país. É o caso do Twitter, do Dropbox e do Line (um aplicativo japonês de troca de mensagens), que permanecem inacessíveis no país. A própria Google também tentou expandir sua operação para o mercado chinês, mas acabou desistindo em 2010 por questões políticas e administrativas.

Fontes:
New York Times-Facebook Said to Create Censorship Tool to Get Back Into China
Quartz-Facebook wants to enter China so bad it’s reportedly building censorship tools

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *