Início » Pelo Mundo » O próximo salto evolutivo dos automóveis
O futuro do carro

O próximo salto evolutivo dos automóveis

Os carros já modificaram o nosso modo de vida. É provável que o façam novamente

O próximo salto evolutivo dos automóveis
Carros caminham para se tornar verdes, seguros e com direção automática (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Algumas invenções, assim como algumas espécies, parecem operar saltos periódicos sobre o progresso. O carro é uma dessas inovações. Vinte e cinco anos se passaram entre o início da produção em pequena escala por Karl Benz do seu modelo original Motorwagen e a revolução, efetuada por Henry Ford e seus engenheiros em 1913, que transformou o carro no onipresente produto de massas que definiu a paisagem urbana moderna. Assim começou a revolução da mobilidade pessoal. Atualmente, quase um bilhão de carros andam pelas estradas do mundo.

Agora tudo indica que o carro está prestes a dar outro salto evolutivo. Leis mais severas e a tecnologia estão tornando os carros mais limpos, mais eficientes em termos de combustível e mais seguros do que nunca. A China, com suas cidades sufocadas por smog, imita a Europa e impõe limites sobre emissões de óxidos de nitrogênio tóxicos e minúsculas partículas de fuligem. Os reguladores da maior parte dos grandes mercados de carro estão exigindo reduções significativas no nível de dióxido de carbono emitido pelos carros. E as montadoras estão sendo excepcionalmente inventivas em encontrar maneiras de atender a essas imposições.

Enquanto isso, uma variedade de tecnologias de “assistência de direção” está sendo implantada em novos carros, o que não apenas removerá boa parte do estresse de dirigir em engarrafamentos, mas também evitará muitos acidentes. Diversas empresas, o Google inclusive, estão se dedicando a levar a assistência de direção a sua conclusão lógica ao criar carros que dirigem a si mesmos sem um humano no comando. É aí que as coisas começam a ficar interessantes.

 

*Texto adaptado e traduzido da Economist por Eduardo Sá

Fontes:
The Economist-Clean, safe and it drives itself

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *