Início » Internacional » ONG revela rede de fake news de extrema-direita na Europa
UNIÃO EUROPEIA

ONG revela rede de fake news de extrema-direita na Europa

Rede atuava pelo Facebook, tentando influenciar nas eleições europeias. Mais de 500 páginas e 32 milhões de usuários foram identificados

ONG revela rede de fake news de extrema-direita na Europa
O conteúdo somava mais de 500 milhões de visualizações nos últimos três meses (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A ONG Avaaz, especializada em ativismo online, revelou uma extensa rede de divulgação fake news, pelo Facebook, na Europa. As notícias falsas tinham ligação com partidos e políticos da extrema-direita.

As informações foram reveladas nesta quarta-feira, 22, através de um relatório da ONG americana. De acordo com o documento, o conteúdo somava mais de 500 milhões de visualizações apenas nos últimos três meses, o que é um número maior do que os eleitores da União Europeia.

Alguns dos conteúdos falsos tinham como intenção influenciar as votações europeias, que começam na próxima quinta-feira, 23, e vão até o próximo domingo, 26. Segundo a Avaaz, foram identificadas, em toda a Europa, mais de 500 páginas e 32 milhões de usuários. O conteúdo compartilhado gerou um total de 67 milhões de interações apenas nos últimos três meses.

“Nós sentimos que essas redes têm um impacto significativo, elas realizam campanhas de desinformação que duram anos, por exemplo, fazendo com que uma questão específica pareça mais importante”, afirmou Christoph Schott, diretor de campanha da Avaaz.

Na Alemanha, as principais contas tinham relações com o partido Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema-direita. Também foram identificados muitos símbolos proibidos na Alemanha, como a suástica nazista. No país, as principais postagens também minimizavam o Holocausto.

Já na França, as principais mensagens tinham um teor supremacista branco. Na Itália, a tática utilizada focava na criação de uma página aleatória – futebol, agricultura, moda – e a transformação dessa ferramenta em política. Uma das páginas identificadas tinha sido criada como se fosse uma associação agrícola. No entanto, mais tarde, passou a ser apoiadora do partido Liga, de extrema-direita, da Itália.

O Facebook tem se dedicado a combater a disseminação de fake news na plataforma. No início do mês de maio, a rede social baniu sete páginas de extrema-direita nos Estados Unidos. Já na Europa, 77 páginas e contas foram excluídas entre os meses de abril e maio.

“O Facebook permitiu que muitas atividades suspeitas e conteúdo malicioso se espalhassem. É preciso excluir e realizar imediatamente verificações em toda a UE para detectar outras atividades suspeitas em sua plataforma”, destaca o relatório da Avaaz.

As contas excluídas somavam 5,9 milhões de seguidores. De acordo com o estudo, “os seis principais partidos europeus de extrema-direita ou anti-UE” somam 2 milhões de seguidores. Os partidos seriam a Liga, da Itália; AfD, da Alemanha; Vox, da Espanha; Partido Brexit, do Reino Unido; Reunião Nacional, antigo Frente Nacional, da França; e Lei e Justiça (PiS), da Polônia.

Leia também: Fake news: quando as imagens mentem

Fontes:
The Guardian-Far-right Facebook groups 'spreading hate to millions in Europe'
DW-Desvendada ampla rede de fake news na Europa

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *