Início » Vida » Tecnologia » Usinas de energia solar em desertos podem gerar até um quarto da eletricidade mundial em 2050
Estudo

Usinas de energia solar em desertos podem gerar até um quarto da eletricidade mundial em 2050

Usinas de energia solar em desertos podem gerar até um quarto da eletricidade mundial em 2050
Energia solar no deserto do Arizona

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Grupos defensores da energia solar divulgaram nesta segunda-feira, 25, que as usinas de energia que utilizam espelhos para concentrar os raios do sol em desertos têm potencial para gerar até um quarto da eletricidade mundial em 2050.

Os grupos envolvidos são o Greenpeace, a Associação Europeia de Eletricidade Termo-Solar e o SolarPACES da Agência Internacional de Energia. Eles afirmam que grandes investimentos também podem criar empregos e combater a mudança climática.

O estudo foi baseado no aumento nos investimentos de 21 bilhões de euros por ano até 2015 e 174 bilhões de euros por ano até 2050. Acredita-se que as usinas solares terão capacidade instalada de 1.500 gigawatts até 2050.

“As usinas de energia solar são o próximo avanço em energia renovável. A concentração de energia solar pode atender até 7% das necessidades de energia do mundo projetadas em 2030 e um quarto até 2050”, segundo o relatório feito pelos grupos.

Fontes:
Reuters - Energia solar pode se popularizar em desertos em 2050,diz estudo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. heloisa disse:

    Antes do download da notícia estava pensando na aridez do Arizona. Esta seria uma boa idéia para desertos africanos, áreas sem chuva como o Peru. Paradoxal seria ter que utilizar a energia gerada no deserto para irrigálo.

  2. Charles Goodwell disse:

    Enquanto isso o Brasil continua parado, como se a energia solar não existisse (num país tropical).
    Pelo nosso histórico tecnológico as grandes mobilizações nacionais ocorrem 30 anos depois da febre no Primeiro Mundo. Foi assim com o Petróleo, que começou a fervilhar no pós-Primeira Guerra e só chegou aqui nos anos 50. Com o aço, no início do século e no Brasil nos anos 40. Com a energia eólica (recentemente começada) estamos 20 anos atrasados e com um parque ainda insignificante para um país que tem ventos com o dobro de potência do europeu e que poderia estar instalando torres com 5MW, mas por enquanto instala modestos 1,5 MW por torre.
    Nosso panorama energético é de total falta de liderança e planejamento estratégico

  3. Dorival Silva disse:

    Como dizia minha avó, “melhor que esse só dois desse”. Haja otimismo…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *