QUEM VAI SER VENDIDO PRIMEIRO? BOTAFOGO, CRUZEIRO OU VASCO?

Na nossa análise de hoje, vamos estudar os casos de Vasco, Cruzeiro e Botafogo. A SAF, Sociedade Anônima do Futebol, vem para ocupar uma lacuna das incompetentes administrações dos grandes clubes (e dos pequenos também) de futebol, que foram acumulando dívidas ao longo de anos.

A verdade é que o modelo de gestão de clube já era. Falido. Segundo Vittorio Medioli, um dos principais nomes do Conselho Gestor, que administrou o clube após a renúncia do ex-presidente Wagner Pires de Sá, comentou sobre a mudança do clube-empresa:

– Agora, o clube não vale nada, o clube é uma ação beneficente. Agora, o S.A não, tem ações que podem servir também para liquidar dividas. Não é difícil fazer, lá no início, eu tinha proposto isso, mas não quiseram ouvir, Agora, apanharam, apanharam e agora tem a XP, Pactual, grandes investidores, não tem outra solução, tem que arregaçar as mangas e fazer – disse Medioli.

Mas será que o Cruzeiro saiu mesmo na frente dos demais rivais? A resposta é sim, em relação ao processo que foi aprovado em sua diretoria, mas não, no modelo que foi sugestionado. O Cruzeiro colocou em pauta com os conselheiros a venda de 49% do clube. Já o Botafogo colocou 100% do clube à venda, disponibilizando a possibilidade de gestão administrativa pelo novo sócio. Então quem está na frente?  O Modelo do Vasco também seguiu a linha de 49% e, portanto, Botafogo sai na frente novamente.

Especialistas apostam que o Botafogo terá maior sucesso em menos tempo. Um investidor quer chegar e dominar o clube. Mas isto quer dizer que a entidade será descaracterizada?

 

MODELO DE SAF PODE DESCARACTERIZAR CLUBE?

O clube possui um estatuto e um modelo de venda, que exige o cumprimento de algumas cláusulas. Não se pode, por exemplo, trocar o nome do clube, a não ser se for, como no Bragantino, adicionar uma Brand ao nome, no caso, RB Bragantino (Red Bull).

Por outro lado, o novo investidor sabe que, mexer na paixão do torcedor é mexer no bolso do investidor então, dificilmente alguma mudança brusca no clube poderá ser vista.

 

ENTENDENDO UM POUCO MAIS

Próximo de uma votação para a divisão societária da SAF, o Cruzeiro mira o exemplo do Botafogo como modelo do que seria ideal para a busca de investidores. Os conselheiros do grupo carioca aprovaram a possibilidade de venda de 100%, pavimentando um caminho de possibilidades, ainda mais com o clube de volta à Série A do Campeonato Brasileiro na temporada 2022.

O que acontece hoje no Cruzeiro é que o clube, por estatuto, determina que a parte social mantenha 51% das ações, enquanto os investidores tenham 49%. Este tipo de divisão prejudica o clube na busca por um acordo. É preciso lembrar que 20% da receita do clube terá que ser para o pagamento da dívida nos próximos 10 anos, conforme a Lei da SAF. Com isso, um investidor teria direito então a 49% de 80% do valor do clube, embolsando cerca de 39% do valor total. No próximo dia 17, o clube vai, em assembleia geral no Barro Preto, votar pela mudança do estatuto, permitindo que o valor de até 90% seja repassado a um potencial investidor.

“Quando vejo opiniões de pessoas, conselheiros e associados dos clubes dizendo que o clube tem que ficar com 10%, 20%, 30%, 40% eu vejo o quanto essas pessoas só querem privilégios e o mal para o futebol, que é a grande razão do clube existir”, declarou Pedro Mesquita, sócio e head de investimentos da XP, em sua conta no Twitter.

“O clube deveria apenas se assegurar da manutenção das cores, escudo, dentre outras obrigações, que podem ser endereçadas via contrato. Quanto maior for o % da venda, mais dinheiro vai entrar e mais forte ficará o futebol”, acrescentou Mesquita que, na sequência, elogiou a decisão tomada pelo Botafogo.

“Parabéns ao Botafogo que pensou grande e aprovou a venda de 100% da SAF. Isso trará com certeza mais apetite e mais capacidade de alavancagem para o seu futuro dono”, destacou o executivo.

Os conselheiros do Botafogo aprovaram em assembleia geral a alienação de 100% do clube, permitindo que todas as ações sejam adquiridas por investidores. Desta maneira, a ala social ficou fora de participação na divisão societária. A própria XP vem também conduzindo o processo de prociura de investidores para o Botafogo e a expectativa é que a venda aconteção no primeiro semestre de 2022. A prioridade de aquisição vem sendo donos de clube no exterior. Parelalmente ao processo de transformação, o Botafogo vem propondo outras ações em prol da saúde financeira do clube, como a redução de 30% das despesas que asfixiavam o time da Estrela Solitária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *