Pagani Huayra Codalunga é hipercarro V12 exclusivo de R$ 37 milhões | Quatro Rodas

Horacio Pagani diz que um cliente de verdade não é alguém que só compra de você uma vez, mas sim alguém que volta sempre. Com esse pensamento, o fundador e designer chefe da Pagani apresentou o Huayra Codalunga, uma edição limitada a cinco unidades criada em parceria com seus melhores clientes.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Segundo a empresa, o modelo surgiu de um pedido feito em 2018 por dois clientes, que desejavam uma versão long-tail (ou de cauda longa) do Huayra Coupé. A intenção era ter um hipercarro com design elegante e ainda mais aerodinâmico, que fosse possível se destacar nas ruas e em eventos por todo o mundo.

Pagani Huayra Codalunga Pagani Huayra Codalunga Divulgação/Pagani

A divisão de projetos especiais da Pagani comprou a ideia e, após um desenvolvimento de dois anos, produzirá cinco exemplares do modelo, liberados para rodar em vias públicas. Cada unidade partirá de 7 milhões de euros, ou seja, algo próximo a R$ 37,6 milhões em conversão direta.

Compartilhe essa matéria via:

Menos é mais

Baseado no Huayra Coupé, o Huayra Codalunga buscou inspiração nos modelos de cauda longa que correram Le Mans nos anos de 1960 – que, por sua vez, se inspiravam na aviação. O resultado disso está nas linhas fluidas e simples, sem o uso de vincos muito marcados. As cores neutras e com acabamento fosco ou semi-fosco também evocam a década de 60.

Pagani Huayra Codalunga Pagani Huayra Codalunga Divulgação/Pagani

Continua após a publicidade

Para Horacio Pagani a intenção era justamente a máxima de que menos é mais. “Simplificar não é nada simples, e este carro é, acima de tudo, o resultado de uma busca complexa de ideias simples”, aponta o fundador da fabricante. Assim, quem também se destaca é a aerodinâmica do hipercarro, com um baixo arrasto.

A dianteira mostra clara semelhança com os Huayra convencionais, mas com uma suavização nas linhas e nas aberturas. No capô, as entradas de ar são menores e formam uma elipse. De lado, uma linha ascendente leva os nossos olhos até o longo balanço traseiro – a tampa do motor tem 36 centímetros a mais no comprimento em relação ao Huayra Coupé.

Pagani Huayra Codalunga Pagani Huayra Codalunga Divulgação/Pagani

Na traseira, as lanternas circulares e as quatro saídas de escape centrais são alocadas na mesma (e grande) abertura, sem nenhum tipo de grade, o que permite uma visualização das entranhas do modelo exclusivo. A parte inferior aloca, em um painel de fibra de carbono, luzes auxiliares e um defletor de ar.

Por dentro, muito luxo com a mistura de materiais como couro legítimo, fibra de carbono, alumínio e aço. Como é de praxe nos Pagani, a cabine do Huayra Codalunga tem forte inspiração na aviação.

Pagani Huayra Codalunga Pagani Huayra Codalunga Divulgação/Pagani

Baixo peso, alta potência

O clichê do “menos é mais” também está presente no peso do Codalunga que, graças ao uso de compostos modernos, tem apenas 1.280 kg – peso semelhante ao de um Volkswagen T-Cross. O sistema de escapamento, por exemplo, é feito de titânio e pesa 4,4 kg.

O baixo peso se combina aos 840 cv de potência e 112,2 kgfm de torque vindos do motor Pagani V12 6.0 biturbo. A transmissão tem sete marchas. A marca não divulgou números de desempenho do Codalunga, mas são esperados um 0 a 100 km/h em cerca de 3 segundos e uma velocidade máxima perto dos 300 km/h.

Continua após a publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.